quinta-feira, 29 de outubro de 2009

Por ai...


“Eu sinto. Sinto algo de ruim que se aproxima, uma sombra que nos encobre. É a sobra do futuro, futuro incerto. Deixe me ir, eu quero ir primeiro, porra me esperem seus bandos de filhos da puta, me esperem passar pela linha de chegada, não custa nada me deixar ganhar ao menos uma vez. Não quero ganhar mais nada. Só quero ser o primeiro. Quando eu passar vocês me sigam, eu não temo o fim o que eu temo é ter de trilhar o caminho sem vocês. Por que haveria eu de querer trilhar essa merda de caminho, pedregoso, incerto, hora curvo hora reto. Eu sei que a felicidade é passageira e que a dor que não passa, ela esta nos objetos, nas lembranças, em tudo.


Por isso peço, melhor, lhes imploro, deixe me chegar em primeiro lugar.”


“Fraco de merda, choras quando mais precisam de ti, ri quando ninguém mais ri. Morra ou adapte-se.”


“Nada irá acontecer com aquele que com Deus for um só.”


“As mascaras não servem pra esconder, elas transformam o que vestem.”


“Algo pra se esquecer.”


Só para constar, estou na tentativa de encontrar um personagem central pra minhas histórias por isso o texto fora de época e por isso da falta de textos.


Imagem de Sir Lawrence Alma-Tadema

3 comentários:

Veja você disse...

bonitinho. bonitinho o desepero (enrustido) escorrendo.
eu sou um filha da puta, mas seu amigo.
torço pela sua personagem. que ela seja boa e tenha o que nos contar.

Veja você disse...

ainda bem que eu posso falar QUALQUER coisa contigo. Palavras não tem a menos importância com tla nível de distância e de amizade. coisas intransponíveis.

Julie. disse...

"Ai, não fala isso, por favor
Esse é só o começo do fim da nossa vida
Deixa chegar o sonho, prepara uma avenida
Que a gente vai passar"