domingo, 1 de fevereiro de 2009

Curtas



Todos os dias você vem me ver. Todos os dias você me aparece das mais diferentes formas, seja em carta seja em e-mail. Me sufoca, mas eu gosto. O problema é que você também some. Não no sentido de não voltar, mas no sentido de não estar aqui. Como disse você parece estar aqui sempre. Quando sei que você não esta aqui, e esta nem ai para isso tudo que somos nos, simplesmente me sinto incompleta. É como se sua paixão tivesse me seqüestrado, e o seu corpo fosse meu cárcere privado. Sua falta me deixa assim, entretanto eu sei me preencher e nesses dias da sua ausência depois de muito sentir sua falta novamente me completo. Corro, jogo, brinco. Porém novamente você me aparece e novamente me sufoca. Eu repleta, transbordo até novamente precisar de você. E nesse ciclo percebo a total incongruência que sou. Te ter na presença, te perder na ausência. Acho que estou virando materialista.


Imagem de Balthus

2 comentários:

friocomopedra disse...

"Te ter na presença, te perder na ausência. Acho que estou virando materialista."
RISOS

sweetsilent disse...

um dos melhores curtas, imaginativamente real e intenso.